LHC - LARGE HADRON COLLIDER

Lá vou eu, aproveitando esse balcão para dar vazão às minhas paixões... Primeiro o design, agora a Física... mas peço aos freqüentadores desse bar que não se preocupem. Não vou transformar isso aqui num reduto de nerds! Peçam um drink e vamos brindar, porque hoje é um dia especial (e para alguns, mais apocalípticos, pode ser o último!).

Um gigantesco acelerador de partículas, com o nome de LHC (sigla em inglês de Large Hadron Collider - Grande Colisor de Hádrons), o maior e mais complexo instrumento científico já construído, foi hoje acionado na Suíça. Considerado a mais importante experiência da história da humanidade vai tentar recriar o Big Bang. O projeto está em preparação há vinte anos, e custou uma bela graninha: mais de 3 bilhões de euros!

Foi projetado para atirar partículas de prótons umas contra as outras quase à velocidade da luz. A libertação maciça de energia causada pelo choque das partículas simularia as condições após a explosão que deu origem ao universo, o Big Bang. Sob tais condições, os cientistas poderão observar como o universo se constituía bilionésimos de segundos após sua origem e compreender como as partículas sub-atômicas se comportavam então...

O acelerador foi construído pela Organização Européia para Pesquisa Nuclear (CERN, na sigla em francês) em um laboratório subterrâneo na fronteira franco-suíça (ver imagem). É a maior máquina já construída pelo homem, tem 8 quilômetros e meio de diâmetro, formando um círculo com quase 28 quilômetros.

A principal missão do LHC é possibilitar aos cientistas a observação do Bóson de Higgs, uma partícula elementar hipotética, predita para validar o modelo padrão atual de partícula. É a única partícula do modelo padrão que ainda não foi observada, mas representa a chave para explicar à origem da massa das outras partículas elementares (é conhecida entre os cientistas como “a partícula de Deus”). Todas as partículas conhecidas e previstas são divididas em duas classes: férmions (partículas com spin da metade de um número ímpar) e bósons (partículas com spin inteiro). As massas da partícula elementar, e as diferenças entre o eletromagnetismo (causado pelo fóton) e a força fraca (causada pelos bósons de W e de Z), são críticas a muitos aspectos da estrutura da matéria microscópica e macroscópica; assim se existir, o Bóson de Higgs terá um efeito enorme no mundo em torno de nós.

Nenhuma experiência detectou diretamente a existência do Bóson de Higgs, mas há alguma evidência indireta de sua existência. Essa partícula foi predita primeiramente em 1964 pelo físico britânico Peter Higgs, trabalhando as idéias de Philip Anderson.

Porque eu falei, lá em cima, que esse pode ser o último dia? Pois bem, alguns cientistas, como Walter Wagner e Luiz Sancho, acreditam que este equipamento pode provocar uma catástrofe de dimensões cósmicas, como um buraco negro que acabaria por destruir a Terra. Para tanto, corre um processo na corte do Havaí tentando impedir a experiência, até que haja uma total comprovação de que não existem riscos. Acusa-se o CERN de não ter realizado os estudos de impacto ambiental necessários.

No entanto, apesar das alegações de uma suposta criação de um buraco negro, o que de fato poderia ocorrer seria a formação de strange quarks, possibilitando uma reação em cadeia e gerando a matéria estranha. Esta possui a característica de converter a matéria ordinária em matéria estranha, logo gerando uma reação em cadeia na qual todo o planeta seria transformado em uma espécie de matéria estranha.

Apesar das alegações "catastróficas", físicos teóricos de notável reputação como Stephen Hawking e Lisa Randall, além de vários outros físicos e engenheiros, afirmam que tais teorias são meramente absurdas, e que as experiências foram meticulosamente estudadas e revisadas, e que logo, estão sob controle.

Entretanto, se um buraco negro fosse produzido dentro do LHC, ele teria um tamanho milhões de vezes menor que um grão de areia, e não viveria mais de 10-27 segundos, pois por ser um buraco negro, emitiria radiação e evaporaria.

Mas, supondo que mesmo assim ele continuasse estável, continuaria sendo inofensivo. Esse buraco negro teria sido criado à velocidade da luz (300 mil km por segundo) e continuaria a passear neste ritmo se não desaparecesse. Em menos de 1 segundo ele atravessaria as paredes do LHC e se afastaria em direção ao espaço. A única maneira de ele permanecer na Terra é se sua velocidade for diminuida a 15 km por segundo. E, supondo que isto ocorresse, ele iria para o centro da Terra, devido à gravidade, mas continuaria não sendo ameaçador. Para representar perigo, seria preciso que ele adquirisse massa, mas com o tamanho de um próton, ele passaria pela Terra sem trombar em nada (não parece, mas o mundo ultramicroscópico é quase todo formado por vazio), e ele só encontraria um próton para somar à sua massa a cada 30 minutos a 200 horas. Para chegar a ter 1 miligrama, seria preciso mais tempo do que a idade atual do universo.

O cientista do MIT, Ph.D em Astrofisica pela Universidade de Bologna, o brasileiro Gabriel Moraes Ernst, considera a teoria concernente com as principais vertentes de análise, ao considerar a aplicabilidade da transferencia de pósitrons com base na massa do buraco negro gerado.

Apesar dos receios, para mim, um apaixonado pela ciência, esse não deixa de ser um dia especial. Até o Google fez uma homenagem ao LHC na sua página principal... Aguardemos então, pela imprensa, os resultados dessa experiência fantástica. O homem está cada vez mais próximo de desvendar a engenharia divina... Quem sabe mais alguns milhões de anos de estudo...

Um abraço a todos. Até a próxima!

Fontes: Wikipedia.org

1 comentários:

ana paula 10 de setembro de 2008 16:36  

"Escritor: não somente uma certa maneira especial de ver as coisas, senão também uma impossibilidade de as ver de qualquer outra maneira."
(Carlos Drummond de Andrade)

Aguardamos debruçados no balcão um novo aperitivo para almas famintas.

Postar um comentário

Mercado Livre

"Quando o processo histórico se interrompe... quando a necessidade se associa ao horror e a liberdade ao tédio, a hora é boa para abrir um bar."
W. H. Auden